top of page

Os saberes da navegação resistem no rio São Francisco?

Atualizado: 7 de abr.

No Dia Mundial da Água, lançamos o primeiro episódio da série Saberes Ancestrais

 


Chegamos a Pirapora no fim do dia, a tempo de gravar um pôr do sol no rio São Francisco e ver alguns pescadores jogando as últimas tarrafas na água.



É exatamente neste ponto, no noroeste de Minas Gerais, que o Velho Chico se torna navegável. Um lugar tão crucial para o comércio de mercadorias, que os vapores, embarcações movidas à lenha, circulavam dali até Juazeiro, na Bahia. A última testemunha dessa época é o Vapor Benjamim Guimarães, atracado à espera do fim da restauração.



Os reparos começaram em 2020 pela estrutura do convés, usando recursos do Ministério do Turismo. No projeto inicial, não constava a recuperação da caldeira, da chaminé e do casco. Assim, em 2022, o IEPHA elaborou o projeto de restauração. É preciso, agora, executá-lo. A Prefeitura de Pirapora abriu licitação para conclusão das obras. "O Vapor tem que voltar para devolver toda a vida em torno do rio." lembra Adélio Brasil, diretor de Patrimônio da Prefeitura.


"Ser barranqueiro, carranca para defender o rio, junta-se a isso o pescar, a carranca que defende a embarcação. (...) Uma cultura que também vem dos vapores".

A tripulação do vapor continua lá, acompanha as obras e conta as histórias da navegação com paixão. Valdomiro Souza, supervisor de máquina, nos mostra o funcionamento da caldeira. Fabrício Costa, piloto fluvial, explica os desafios de navegar em rios e lembra a sabedoria dos antigos pilotos que "navegavam sem instrumentos, observando a posição das árvores e com o conhecimento do rio".


Da época das navegações, há outra testemunha: o pontilhão de ferro Marechal Hermes, que está entre as primeiras pontes metálicas construídas no Brasil.



A Marechal Hermes foi inaugurada em 1922, como prolongamento da Estrada de Ferro Central do Brasil, que ligaria o Rio de Janeiro ao norte do país, embora esse projeto nunca tenha sido concluído. Hoje, a ponte com 13 pilares de concreto serve para travessia de pedestres e bicicleta, e também precisa de restauração.


A cultura da navegação adormece à espera dos cuidados com o patrimônio, com o rio e sua gente. Apesar disso, o trabalho dos pescadores permanece, a tripulação do Benjamim Guimarães não abandonou seu barco e os mestres e mestras das carrancas continuam o trabalho com o formão, esculpindo presas e olhos na madeira, como faziam seus antepassados.



Luzia Soares, Bonifácia dos Santos, Gelson Xavier e tantos outros dão vida a essa arte. Por isso as carrancas ainda são vendidas para todo o país, embora com o sentido oposto ao do passado. Antes, eram usadas nas embarcações para assustar os maus espíritos. Hoje, as carrancas levam a mensagem de uma cultura que precisa ser vista e cuidada, mas continua presente. Os saberes da navegação em Pirapora resistem no Velho Chico.


(A temporada Saberes Ancestrais tem o apoio da Lei Estadual de Incentivo à Cultura de MG e patrocínio da Cemig.)


Episódio 1: A Carranca e o Rio São Francisco


Ficha técnica:

Roteiro e Direção: Juliana Perdigão

Produção Executiva e Direção: Odilon Amaral

Montagem e Edição: Cadu Barros

Produção: Juliana Perdigão e Bianca Perdigão

Imagens: Herbert Cabral

Drone: Herbert Cabral e Odilon Amaral

Design: Estúdio Ventana, Bianca Perdigão, Mateus Lustosa

Arte e Videografismo: Lucas Pereira

Música Original: Renato Saldanha

Motoristas: Rodrigo Matarelli

Agradecimentos: Diretoria Patrimônio Histórico e Cultural de Pirapora, Tripulação do Valor Benjamim Guimarães, Delegacia Fluvial de Pirapora - Marinha do Brasil


 

As nossas reportagens podem ser republicadas, desde que sem qualquer tipo de alteração e que seja citada a fonte. Deve constar o(s) nome(s) do(s) autor(es) da foto e/ou da reportagem, assim como o nome do Projeto Preserva e, quando possível, o link para a página em que o material foi publicado originalmente.


 


Se você ainda não assina a Veredas, a newsletter do Projeto Preserva, clique no botão abaixo. É de graça e ainda traz uma curadoria de artigos e publicações sobre meio ambiente e os biomas presentes em Minas Gerais: Cerrado, Mata Atlântica e Caatinga.


A Veredas foi lançada com o apoio do Centro Internacional para Jornalistas, ICFJ, e a Meta. É editada pelos jornalistas Juliana Perdigão e Odilon Amaral, que coordenam o Projeto Preserva.


Inscreva-se e recomende a todos que possam se interessar!



Comments


Commenting has been turned off.
Post: Blog2_Post
Veja também:
bottom of page