top of page

Um novo caminho para a restauração de casas históricas

Atualizado: 8 de out. de 2023

Canteiros de obra se tornaram escola para formar profissionais e moradores participaram dos trabalhos: conheça o projeto Bom Será

 
As casas do bairro Cabeças, em Ouro Preto (MG) - Foto: Juliana Perdigão

Essas casas coladas, parede com parede, estão em muitas cidades histórias. Ao caminhar por esta rua no bairro Cabeças, em Ouro Preto, encontramos muitas dessas construções do século XVIII e XIX, onde não há espaço entre as casas e a parede de um morador é também a que sustenta a casa ao lado.


Uma das moradoras, a aposentada Nininha Sales, abriu as portas da casa que acabou de ser restaurada. Esse tipo de estrutura ficou conhecida como “Bom Será”:


“No passado, os moradores tinham o costume de dizer: já que vamos morar juntos, bom será que a gente não brigue”, explica Nininha.

A placa que conta a história do "Bom será" - Foto: Odilon Amaral

Ela ainda nem teve tempo de colocar todos os móveis no lugar. Durante sete meses, dona Nininha ficou na casa de parentes, até que todo o trabalho fosse concluído. Foi feita uma reestruturação completa de paredes e telhados, que só foi possível com o projeto desenvolvido pelo Instituto de Arte Contemporânea de Ouro Preto, via Lei de Incentivo à Cultura.


Dona Nininha nasceu na casa que foi restaurada pelo projeto - Foto: Odilon Amaral

Três casas da rua foram escolhidas na primeira fase do projeto Bom Será, mas as obras só começaram depois de uma oficina para ensinar as técnicas antigas aos profissionais da construção civil. Eles aprenderam carpintaria, construção com pau a pique, adobe e sistemas elétricos para casas históricas. Os moradores também participaram das oficinas, do levantamento das memórias. “Houve uma troca, um aprendizado mútuo entre os profissionais e os moradores, já que as pessoas são parte do patrimônio.”, conta Bel Gurgel, diretora artística do Instituto de Arte Contemporânea de Ouro Preto.


A janela da casa da dona Efigênia, antes e depois da reforma - Foto: Vellozia Filmes por Lucas de Godoy

Restauração disruptiva: as mulheres nos canteiros de obras


O projeto Bom Será formou 132 profissionais. 80% das pessoas que trabalharam nos canteiros eram mulheres. Elas se qualificaram para restaurar as próprias casas e, se quiserem, podem usar essa formação para entrarem no mercado.


Os moradores e a conservação das casas centenárias


Um desafio prático se impõe nas cidades histórias de todo o país: as casas tombadas com 200 ou 300 anos de existência precisam de restauro. As alterações devem seguir as normas definidas pelos órgãos de defesa do patrimônio, mas nem sempre os proprietários conseguem arcar com os valores, que podem chegar à casa dos milhões.


Para os moradores de baixa renda, por exemplo, a restauração das casas acaba sendo adiada por anos ou é feita em partes. Dona Nininha contou que a última reforma na casa dela foi feita pelo pai, há 60 anos.


Dona Nininha está, aos poucos, trazendo os móveis de volta para sa casa - Foto: Odilon Amaral
“De lá pra cá, eu consegui juntar dinheiro para reformar parte do telhado, seguindo as regras do patrimônio, mas é muito caro. Eu via que a fachada da casa estava entortando, mas não conseguia o dinheiro para restaurar.”, diz dona Nininha.

A casa dela foi completamente restaurada, inclusive a estrutura interna da fachada. “Muitas partes das paredes de adobe tiveram que ser refeitas”.


“Se minha casa caísse, levaria as casas vizinhas, porque as paredes são coladas. Eles produziram o adobe, fizeram paredes de pau a pique também. Agora não cai mais e ficou linda!”, conta dona Nininha.

Comments


Commenting has been turned off.
Post: Blog2_Post
Veja também:
bottom of page